Card image cap

A preocupação da Prefeitura Municipal com as questões ambientais vem colocando em prática ações para a preservação e recuperação de áreas

30 de Junho de 2021 | Noticias
Compartilhe:

O prefeito João Martins, em parceria com os institutos Natura Vida, e Pé de Copaíba, está buscando maneiras de viabilizar o encerramento do lixão e instalação de um mini aterro sanitário.

A Prefeitura Municipal de Mateiros está preocupada em se adequar à legislação voltada para o descarte de resíduos sólidos. Para isso, o prefeito João Martins, por meio de parcerias, está em busca de realizar um estudo para a viabilização da desativação do atual lixão da Cidade, local onde os resíduos são descartados.

“Estamos muito preocupados com essa questão de lixo, e estamos recorrendo à possibilidade de encerrar o lixão e trabalhar em cima de um projeto aqui, porque tem aumentado muito o turismo nos últimos anos, e aumentou também o lixo. Buscamos as parcerias para o levantamento e possibilidade de implantar um mini aterro sanitário”, explicou o prefeito João Martins.

O secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico, Meio Ambiente e Turismo, Maicon Dimbarre, enfatizou que o projeto pretende também implantar projeto de reciclagem no Município. “Será realizado um estudo de impacto ambiental do atual lixão no Município e o processo que deve ser montado para desativá-lo, porque dentro deste processo será feito um estudo de quanto e qual tipo de lixo é produzido, além da instalação do projeto de reciclagem, ao mesmo tempo em que esse lixão será desativado, para diminuir também a quantidade de lixo que é produzido. O mini aterro irá receber o lixo que não pode ser tratado”, ressalta Maicon.

Visita

Em abril, o prefeito João Martins, juntamente com o secretário Maicon, esteve em visita ao Naturatins para verificar a situação do processo de licenciamento de tramita no órgão. Na última semana, o prefeito recebeu no Município a visita técnica das entidades parceiras para a execução dos projetos. A Prefeitura Municipal, por meio da Sedematur e secretarias de Agricultura, e Administração e Obras, conta com a parceria dos institutos Natura Vida, e Pé de Copaíba. Este último abriga o viveiro municipal da Cidade.

“A visita foi para trabalhar uma forma de zerar o lixão, para colocarmos o lixo em um local adequado, porque não tem a mínima possibilidade de continuarmos a jogar o lixo ali”, comentou o prefeito.

A visita técnica teve o objetivo de conhecer a atual situação do lixão e buscar maiores informações sobre os locais para a instalação do mini aterro sanitário. Além do prefeito, estiveram presentes o secretário Municipal de Agricultura, Darley Sousa, secretário de Administração e obras, Avanir dos Santos, o responsável pelo Instituto Pé de Copaíba, José Júnior (Juniera), e o engenheiro ambiental do Instituto Natura e Vida, Cassius Ferreira, que enfatizou que o Município possui a viabilidade da implantação do aterro de pequeno porte.

“O lixão vem trazendo problemas ambientais e de corresponsabilidade para o Município de Mateiros, através da Prefeitura, que é a sua gestora. Neste sentido iremos construir um plano de recuperação para esta área, com as soluções ambientais necessárias para tirar o Município da inadequação, por isso a importância da construção de um aterro sanitário de pequeno porte”, afirma o engenheiro.

O Instituto Natura Vida, por meio de convenio com o Instituo Pé de Copaíba, e a Prefeitura Municipal, estará dando suporte e apoio às questões políticas, ambientais e sociais de inclusão para a implantação do projeto de reciclagem, sendo que o instituto já possui um sistema de reciclagem e recolhimento de resíduos eletroeletrônicos.

José Junior, responsável pelo Instituto Pé de Copaíba, enfatizou que desinstalar o lixão levará mais qualidade de vida à população. “A desativação do lixão em Mateiros, devido à sua abrangência, é um problema que a gente deve encarar não só como uma questão econômica e ambiental, mas também como uma questão cultural, social, de saúde e educação. Com a desativação do lixão vai reduzir o risco de contaminação ambiental, doenças, gerar melhores condições de vida para a população, responsabilidade socioambiental, e vai também potencializar a coleta seletiva, criando também uma reeducação para o consumo”, explicou.